quarta-feira, 22 de novembro de 2017

A manada de sempre

O ilegítimo foi denunciado, formalmente, por corrupção duas vezes e salvo duas vezes pela Câmara dos Deputados e, na condição de presidente, ajuda a estancar a "porra da sangria" (né, Jucá!). 

Parte da PF, do MPF e do judiciário espetaculariza operações potencializando ou escondendo ações conforme interesses políticos (como era doce meu powerpoint!).

O Brasil virou um estado jurídico-policial, em que se acusa primeiro e investiga depois (alô, alô, Lava Jato!). 

A classe média que foi às ruas fantasiada de amarelo-CBF, em chamamento da Globo, não encara o pagamento de propina da Globo em esquemas da CBF (haja coração, Galvão!). 

O "combate" à corrupção - espertamente - foi deixado de lado e a manada, agora, segue destilando ódio contra a diversidade de gênero, aos direitos humanos, à falsa pedofilia das artes e de artistas, em defesa da família tradicional (só pode papai e mamãe!). 

Como se vê, a classe média é mais medíocre do que se imaginava. Há!

quarta-feira, 15 de novembro de 2017

Efeito colateral perverso

Então, quer dizer que o deputado federal Jair Bolsonaro agrediu a jornalista Miriam Leitão, da Rede Globo!


Esse é o deputado federal - réu no STF por incitação ao crime de estupro - impulsionado, inclusive, pela mídia-negócio da qual Miriam Leitão faz parte.

Jair Bolsonaro, machista/misógino, homofóbico e racista não teria o peso que tem se não fosse o vale-tudo contra a esquerda, Lula e Dilma.

Bolsonaro arrasta multidão, também, porque existe mais gente igual a ele do que gostaríamos, mas ele presidenciável é efeito colateral - perverso - da direita que não aceita o resultado das urnas nem tem apreço pela democracia.

domingo, 12 de novembro de 2017

Inquietudes (385) do Rei


Liberdade de expressão que flerta com a incitação à violência não é opinião. É crime. Muitos vão dizer que se trata de figura de linguagem, mas nesses tempos de ódio, censura a artistas, perseguição judicial a adversários, agressão física a quem pensa diferente, pregação para queimar filósofa na fogueira, o que falta para um demente ler as palavras desse colunista da Istoé literalmente? Pior que o ódio de classe, só o ódio da própria classe.

sábado, 11 de novembro de 2017

Não fale em crise...

Charge: Aroeira

"Não fale em crise... trabalhe.” Do (ilegítimo) presidente Michel Temer, em 12 de maio de 2016.

Não fale em crise...? trabalhe, se encontrar um emprego sem direitos e garantais trabalhistas.
Não fale em crise...? trabalhe em postos terceirizados e precarizados até em atividades fins.
Não fale em crise...? trabalhe em postos intermitentes, por hora, sem vale-transporte nem vale-refeição.

Não fale em crise...? o seu deputado federal, que votou para tirar Dilma - sob pretexto de corrupção - salvou Temer duas vezes de denúncia oficial de corrupção.
Não fale em crise...? Lula está negociando com muitos golpistas visando as eleições de 2018.
Não fale em crise...? Temer muda o comando da Polícia Federal para estancar a porra da sangria.

Não fale em crise...? o STF não estava acovardado; é cúmplice mesmo.
Não fale em crise...? a justiça é parcial e seletiva.
Não fale em crise...? parte da justiça usa o lawfare contra seus adversários.
Não fale em crise...? procuradores e juízes têm salários altíssimos que extrapolam o teto constitucional.

Não fale em crise...? o governo Temer vende o que resta do Brasil atendendo a pedidos de estado mínimo. 
Não fale em crise...? o pré-sal que renderia recursos para a educação e a saúde está sendo entregue a multinacionais.
Não fale em crise...? os investimentos sociais estão congelados por 20 anos.

Não fale em crise...? tenha o filho de um estupro porque homens brancos, que não engravidam, estão tentando mudar a lei.
Não fale em crise...? o racismo nas palavras de William Waack é relativizado por jornalistas como Reinaldo Azevedo, Augusto Nunes e Rachel Sheherazade.
Não fale em crise...? as artes e os artistas querem acabar com a família tradicional brasileira.

O pensamento médio da sociedade brasileira – o da classe média por excelência - é menor do que se imaginava. 

Inquietudes (384) do Rei

"Não fale em crise... trabalhe” (Temer, 12/05/2016), sem direitos nem garantias trabalhistas (11/11/2017).

sexta-feira, 10 de novembro de 2017

Inquietudes (383) do Rei

É didático ver jornalistas como Reinaldo Azevedo e Augusto Nunes reclamarem da pressão contra o racismo do também jornalista William Waack. Não são jornalistas como os três que incentivaram o ódio contra adversários políticos, especialmente os da esquerda? Quando o ódio sai do armário, qualquer um pode ser a vítima, inclusive os que abriram a sua porta.

REINALDO AZEVEDO: "William Waack, o jornalista mais importante do país, não é racista! Os covardes se assanham". 

AUGUSTO NUNES: "Não é surpreendente que por um punhado de frases sem importância, ele vire alvo de seitas especialmente repulsivas: os politicamente corretos, os fanáticos extremistas, os que odeiam olhar-se no espelho, os perdedores congênitos, os patrulheiros esquerdopatas, os cretinos fundamentais e os idiotas em geral."

Na roça


domingo, 29 de outubro de 2017

Inquietudes (382) do Rei

Fim do Promic - Programa Municipal de Incentivo à Cultura? O que esperar de um prefeito (Marcelo Belinati, de Londrina) que, quando deputado, votou pelo congelamento de investimentos sociais por 20 anos?

Depressão, luz e esperança. Há!

Fico deprimido quando vejo o ilegítimo Temer escapar duas vezes de ser investigado porque comprou o Congresso Nacional. Fico deprimido ao ler e ver a destruição dos direitos trabalhistas, das políticas públicas e da volta do trabalho escravo. Fico deprimido com a volta da miséria e da fome. Fico deprimido em ver a parcialidade e a perseguição do judiciário aos adversários dos plutocratas. Fico deprimido com o ataque, conservadoramente burro, às artes e aos artistas. Fico deprimido com o discurso de ódio cada vez mais crescente. Para combater minha depressão vejo o vídeo abaixo e, de repente, sou tomado por luz e esperança. Há!


sábado, 21 de outubro de 2017

A escola não é neutra nem quando quer ser

Reprodução: Jornal O Globo.

Escola do município catarinense de Lages – ai esse Sul Maravilha que tanto orgulho proporciona aos separatistas - suspendeu uma aluna que criticou decisão da direção da instituição de proibir  o ensino sobre alguns temas. 

Segundo a direção da Univest, em comunicado para alunos e pais, "NA ESCOLA NÃO se aprende sobre:

01 - Sexo
02 - Ideologia de gênero
03 - Ativismo LGBT
04 - Comunismo
05 - Esquerdismo
06 - Religião"

A direção da escola defende que os professores devem ensinar conteúdos formais de disciplinas como Matemática, Português, História, Geografia, entre outras. Por que não aprender sobre os temas censurados?

i) NA ESCOLA NÃO se aprende sobre sexo. Por quê? A escola não se importa com assédio nem com a cultura do estupro?

ii) NA ESCOLA NÃO se aprende sobre ideologia de gênero. Por quê? A escola não é espaço de diversidade e pluralidade?

iii) NA ESCOLA NÃO se aprende sobre ativismo LGBT. Por quê? A escola é adepta do ativismo machista e sexista que leva à violência contra mulheres, gays e outros?

iv) NA ESCOLA NÃO se aprende sobre comunismo. Por quê? A escola reza na cartilha do deus mercado e não estimula a reflexão sobre as diversas doutrinas político-econômicas?

v) NA ESCOLA NÃO se aprende sobre esquerdismo. Por quê? A  escola é filiada ao direitismo e ao conservadorismo?

vi) NA ESCOLA NÃO se aprende sobre religião. Por quê? A escola não quer admitir que existe mais de um Deus e a fé pode ser plural?

Como se vê, a escola não é neutra nem mesmo quando pretende ser. 

quinta-feira, 5 de outubro de 2017

Condição humana

Imagem: Reprodução. 

Então quer dizer que quem defende a liberdade de expressão, também, pode censurar a opinião alheia quando esta não está alinhada aos seus pensamentos?

Então quer dizer que quem acha chato o comportamento politicamente correto acaba, também, sendo politicamente correto quando a performance artística tem um corpo nu masculino?

Então quer dizer que quem defende a liberdade religiosa pode, também, passar a perseguir religiosos que não comungam com a sua fé?

Então quer dizer que religioso que prega o amor de Deus pode, também, fazer discurso de ódio, discriminando, excluindo e segregando?

Então quer dizer que quem empurra a educação dos filhos para a escola pode, também, reclamar e perseguir professores que educam seus filhos em assuntos dos quais lhe desagrada?

Então quer dizer que muita gente contrária ao aborto e favorável à vida pode, também, apoiar pena de morte e defender que bandido bom é bandido morto?

A contradição é uma condição humana, mas somente é um problema quando identificada no outro.

terça-feira, 3 de outubro de 2017

Terror é terror!

Terrorista vem de terror. E o que é terror? Segundo o dicionário Michaellis (online): "1 Qualidade do que é terrível. 2 Perturbação grave, trazida por perigo imediato, real ou não; medo, pavor. 3 O que amedronta ou aterroriza." 

Essas características estão presentes no caso do norte-americano que abriu fogo contra a multidão em Las Vegas, Estados Unidos, nesta segunda-feira (dia 2)? Sim. Portanto, trata-se de um terrorista e não um atirador.

No entanto, o termo terrorista tem outro sentido. Do ponto de vista discursivo,  está associado a quem pratica o terror com objetivos políticos, na relação dominantes/dominados.

A cara do terrorismo, no contexto atual, é a do Oriente Médio, usa turbante e fala em nome de Alá. Durante a Guerra Fria, a cara do terrorismo vinha da Rússia, tomava vodka ou tinha sotaque do leste europeu.

O que aconteceria se o terrorismo assumisse os sentidos descritos no dicionário? Os inimigos do Ocidente seriam pulverizados, descaracterizados. E isso não pode acontecer. Afinal, a guerra também é produzida a partir da linguagem e seus sentidos.

Inquietudes (381) do Rei

Branco, norte-americano - quando abre fogo contra a multidão - não é terrorista. É atirador!

Inquietudes (380) do Rei

Muitos que atacam o pelado do museu são os mesmos que aplaudem o ensino religioso confessional. Isso não é mera coincidência!